B O L E T I M Número 68 de Janeiro 2007 - Ano VII

 BIP in English  BIP in English 

Início Destaque Editorial Especial Arquivo
   

D E S T A Q U E

USE com intervenção em quatro continentes

Embaixadora de Portugal na área da Energia

Imagem Principal Artigo

A Unidade de Sistemas de Energia (USE) tem obtido resultados excelentes nas áreas emergentes essenciais para o sector eléctrico nacional, ocupando uma posição de referência em Portugal nas áreas da regulação, mercados e integração de energias renováveis, nomeadamente da energia eólica. De destacar ainda a sustentada presença europeia e internacional da Unidade na área da consultoria, com capacidade de influência estratégica a nível da União Europeia. Mas a USE vai mais longe, pois através da EFACEC tem tecnologias instaladas em quatro dos cinco continentes.

Uma Unidade modelo
Coordenada por Manuel Matos e João Peças Lopes, a USE é conhecida no INESC Porto como uma Unidade modelo, que desenvolve projectos com sucesso, executa contratos de forma eficaz e responsável e equilibra as finanças com sabedoria. Para além disto, a Unidade possui uma elevada credibilidade como entidade independente que presta consultoria ao mais alto nível.

No que diz respeito a Recursos Humanos, a USE tem um ambiente de trabalho exemplar, onde todos primam pela camaradagem e convívio, incluindo o elevado número de colaboradores estrangeiros. A base estável de investigadores universitários, reforçada no âmbito do contrato como Laboratório Associado, e uma linha científico-técnica bem definida tem facilitado o enquadramento de bolseiros e estagiários.

A experiência que vem de longe
Pode considerar-se que a internacionalização da Unidade começou há cerca de 14 anos, uma vez que o projecto europeu SOLARGIS (Integration of Renewable Energies for Descentralized Electricity Production) procurava já, em 1993, explorar metodologias de planeamento regional aplicado em diversas regiões da Europa e da África.

Dezenas de projectos depois, a USE tem actualmente, além de vários projectos europeus, contratos de consultoria com o ONS (Operador Nacional de Sistema) do Brasil para aperfeiçoamento de requisitos técnicos e definição dos procedimentos de rede que permitem a integração de produção eólica, e com a Rede Eléctrica de Espanha (em conjunto com a REN - Rede Eléctrica Nacional, de Portugal) para avaliação das necessidades de reserva no sistema eléctrico Ibérico até 2025.

Os negócios internacionais
De uma forma mais indirecta, a Unidade participa ainda em contratos internacionais da EFACEC, actualmente em Moçambique e Brasil. O projecto Aplicações Avançadas para DMS (Distribution Management System), desenvolvido para a EFACEC, consistiu no desenvolvimento de ferramentas avançadas de software para integração no sistema de gestão de redes de distribuição de energia eléctrica, recorrendo às técnicas mais recentes de modelização e optimização, como redes neuronais, algoritmos genéticos e fuzzy sets.

Esta parceria com a EFACEC dura há cerca de 10 anos de forma sustentada, ou seja, a USE continua a fornecer módulos novos, apoiando a empresa na evolução dos sistemas de gestão de redes para atingir mercados mais alargados. Através desta parceria com a EFACEC, a Unidade já teve projectos em quatro dos cinco continentes. Com outros projectos e contratos trabalhou também em Espanha, Brasil e Cabo Verde.

A competência reconhecida
Além de consultoria internacional de alto nível, a Unidade participa ainda activamente na definição dos projectos de investigação a realizar no âmbito do acordo MIT/Portugal, esperando-se que venha a desenvolver projectos no domínio da produção distribuída de electricidade e integração de energias renováveis, com a participação de alunos do Programa de Doutoramento em Sistemas Sustentáveis de Energia que arrancará na FEUP a partir de Setembro de 2007.

Questionado sobre como surge o contacto para novos contratos na área da consultoria, o coordenador realça que a Unidade não faz propriamente publicidade. “As pessoas conhecem-nos, sabem das nossas competências e os projectos surgem”, explica, admitindo que por vezes os primeiros contactos nascem em conferências internacionais onde são apresentados os trabalhos e ideias da USE.

Uma área de futuro
Neste tipo de projectos estão normalmente envolvidos os coordenadores da Unidade, com a colaboração de outros elementos. Manuel Matos salienta no entanto que, no caso da EFACEC, Jorge Pereira é uma peça fundamental.

Para o coordenador, estes contratos são bons porque representam um reconhecimento fora do limitado ambiente doméstico da Unidade, e exigentes pela mesma razão. “Encararíamos com satisfação um aumento desta actividade, tendo sempre em conta as limitações de recursos humanos seniores disponíveis, mas não há uma relação directa, ao nível a que estamos, entre investimento em publicidade e oportunidades de negócio compensadoras”, salienta.

Colaboradores da USE entre aspas
“O que mais apreciam na Unidade de Sistemas de Energia?”

Nuno Fidalgo - “Competência a nível profissional e, sobretudo, bom ambiente pessoal e camaradagem”.
Mauro da Rosa - “A diversidade cultural e a forma como conseguem se comunicar e cultivar amizades”.
João Tomé Saraiva - “A diversidade de pessoas, quer em termos de características pessoais quer em termos de áreas científicas a que se dedicam”.
Paulo Jesus – “A nossa unidade tem pontos muito fortes. Principalmente, é uma unidade multidisciplinar que contém muitos elementos conhecedores de novas metodologias aplicáveis aos sistemas de energia. No entanto, tem pessoal que vem dos quatro cantos do mundo, o que faz dela uma unidade verdadeiramente internacional”.
Susana Silva – “O apoio do orientador e dos colegas de trabalho sempre que necessário”.




INESC Porto © 2021  |Discutir no Forum   |Ficha Técnica   |Topo      

RESPONSABILIDADE: O BIP é um boletim irreverente e não oficial e os artigos e opiniões publicados não pretendem traduzir a posição oficial da instituição, sendo da responsabilidade exclusiva dos seus autores.