B O L E T I M Número 84 de Junho 2008 - Ano VIII

 BIP in English  BIP in English 

Início Destaque Editorial Especial Arquivo
 


O p i n i ã o  

  • A Vós a Razão
  • Colaboradora alerta: "A água é aparentemente distribuída igualmente pelos pisos, mas é importante lembrar que o número de pessoas por piso não é uniforme pelo que o recurso não chega de forma igual a todas as pessoas..."

  • Asneira livre
  • Colaborador confidencia: "Visto que tenho de falar sobre o INESC Porto porque não falar sobre o que gosto e não gosto nesta instituição..."

  • Galeria do Insólito
  • Precisa de enviar um e-mail chato, mas não sabe como abordar o destinatário? Nós damos-lhe a receita...Unte-o com manteiga!

  • Biptoon
  • Mais cenas de como bamos indo porreiros...

Ver Notícias

 

E D I T O R I A L


Bolsas a estrangeiros, sim - quando acrescentam valor

Por vezes ainda se escuta a requentada discussão sobre se o estado português deve atribuir bolsas de pós-graduação (leia-se doutoramento) a estrangeiros. Os argumentos contra alinham-se sensivelmente pelo seguinte diapasão: é um desperdício de dinheiros públicos pagar, com o dinheiro dos cidadãos, a formação de estrangeiros que, uma vez terminada a sua valorização pessoal, partem e vão beneficiar terceiros com a formação adquirida.

Este racional assenta num pressuposto basilar: que a actividade do doutoramento é docente-lectiva-formadora e o resultado são recursos humanos. Se assim for, o raciocínio faz sentido.

O que esta postura ignora é que, num país desenvolvido, a investigação científica é uma actividade que tem um potencial elevado de rentabilização. Se for possível valorizar o trabalho efectuado por um bolseiro, por forma a que o valor acrescentado dele seja superior ao valor da bolsa atribuída, então a concessão, em vez de esmola, é investimento. Em vez de subsídio à sobrevivência de estruturas académicas improdutivas, é estímulo à actividade de alto nível pela geração de retornos financeiros e outros menos tangíveis.

A actividade de doutoramento é, então, perspectivada como inserida numa cadeia produtiva e o resultado é conhecimento, que tem de ser valorizado. Não há exploração da mão de obra porque esta, do acto, sai também valorizada. É um ganha-ganha.

Não é possível reclamar-se a urgência de um salto de quantidade e qualidade na nossa ciência e transferência de tecnologia e depois secar-se a fonte de mão de obra, o recurso humano que é elemento vital no processo. Todos os países que se desenvolveram à frente de Portugal o compreenderam.

Por isso, saúda-se a iniciativa da FCT – Fundação de Ciência e Tecnologia, de voltar a permitir, sob certas condições, que cidadãos estrangeiros, enquadrados em instituições de excelência nacional, possam beneficiar de bolsas de doutoramento – que é como quem diz, que instituições nacionais possam beneficiar desses bolseiros.

Para aplicação desta última perspectiva, apenas se impõe estabelecer um mecanismo de verificação de qual o valor de retorno esperado, por cada bolsa a que o Estado português atribui a um estrangeiro.

Falta apenas reflectir e melhorar o processo de apreciação/verificação do efectivo contributo esperado e concretizado de cada investimento desses.



INESC Porto © 2021  |Discutir no Forum   |Ficha Técnica   |Topo      

RESPONSABILIDADE: O BIP é um boletim irreverente e não oficial e os artigos e opiniões publicados não pretendem traduzir a posição oficial da instituição, sendo da responsabilidade exclusiva dos seus autores.