B O L E T I M Número 85 de Julho 2008 - Ano VIII

 BIP in English  BIP in English 

Início Destaque Editorial Especial Arquivo
 


O p i n i ã o  

  • A Vós a Razão
  • Colaborador revela: "O nosso posicionamento no mercado tem sido uma preocupação constante. Procuramos actuar em domínios que a cada momento se assumam como clara inovação..."

  • Asneira livre
  • Colaboradora partilha a sua primeira experiência enquanto responsável pela organização de um evento de grandes dimensões, a Conferência BASYS 2008. “Considero que esta experiência foi enriquecedora para mim pois sinto que cresci e me valorizei profissionalmente e como pessoa.”

  • Galeria do Insólito
  • Num local onde a investigação é o dia-a-dia, e onde os avanços científicos são proeminentes e preciosos para toda a sociedade, a descoberta do elixir da juventude...

  • Biptoon
  • Mais cenas de como bamos indo porreiros...

Ver Notícias

 

A  V Ó S  A  R A Z Ã O


A Prestação de Serviços no INESC Porto

Imagem Principal Artigo

Por António Correia Alves*

A actividade de Prestação de Serviços no INESC Porto, e muito em particular na UESP, resulta duma lógica de pôr à disposição da comunidade o conhecimento adquirido do decurso da realização de actividades de I&DT.

Na UESP, a prestação de serviços tem assumido a forma de especificação e desenvolvimento de sistemas e software, realização de estudos e de consultoria, maioritariamente para entidades privadas do tipo PMEs (a UESP oferece serviços de consultoria especializada em organização industrial, sistemas de produção, sistemas logísticos e sistemas de informação empresariais).

Entendo consultoria externa como apoio dado por um terceiro na resolução de problemas ou realização de projectos numa entidade. A actividade de consultoria no INESC Porto justifica-se por variadas razões. Uma delas é sem dúvida a necessidade de maior independência dos sistemas de apoio público na realização da nossa actividade e consequente aumento do volume de prestação contratual directa às empresas. E a capacidade de o fazer representa também o reconhecimento público da nossa capacidade de intervenção, pois como bem sabemos o nosso tecido empresarial é muito selectivo quando se trata de contratar este tipo de serviços.

O nosso posicionamento no mercado tem sido uma preocupação constante. Procuramos actuar em domínios que a cada momento se assumam como clara inovação e que, dada a sua emergência, ainda não sejam disponibilizados por entidades comerciais de forma sustentada e com qualidade adequada. Tal normalmente acontece enquanto o mercado não está suficiente maduro, sem dimensão para exigir intervenção de forma interessante para a actividade privada. Aqui também existe uma oportunidade de ajudar o mercado a emergir com novas ofertas, nomeadamente através da formação aos prestadores de serviços ou no licenciamento das nossas metodologias. E quando a oferta comercial se generalizar é tempo de partir para outros desafios.

Outro papel importante da consultoria é o de assegurar um melhor conhecimento das necessidades do país real, nem sempre coincidentes no tempo ou nas temáticas com aquilo que possamos pensar ou desejar. Mantendo um contacto estreito e permanente com as empresas mais facilmente nos apercebemos das suas dificuldades e necessidades, o que pode e deve constituir uma fonte importantíssima para a maturação de ideias de projectos de I&DT. Desta forma poderemos reduzir alguns dos riscos associados a projectos, garantindo uma melhor adequação dos resultados ao mercado.

O inverso também não é menos importante: a Área de Consultoria pode e deve ser um cliente da actividade de I&DT, ajudando na exploração de resultados dos projectos em que o INESC Porto participa. Recomenda-se pois que cada vez mais se acautele os direitos de propriedade intelectual relativamente aos resultados dos projectos, salvaguardando eventuais interesses da nossa instituição na sua utilização.

Também gostaria de referir o impacto que a actividade de consultoria tem tido na formação de jovens licenciados. Devidamente enquadrados e orientados, um número muito considerável de jovens tem tido oportunidade de realizar trabalhos de estágio de licenciatura e teses de mestrado com base em projectos reais, permitindo o desenvolvimento de novas competências científicas, técnicas, de gestão e desenvolvimento pessoas.

A consultoria é muito exigente em termos de multidisciplinaridade de conhecimentos e competências, não apenas técnico-científicas, mas também de gestão, muito em particular no que respeita aos recursos humanos. Lembremo-nos que, na grande maioria das intervenções que fazemos estamos a actuar na organização de processos, o que envolve mudança. Esta multidisciplinaridade, se bem que seja uma vantagem competitiva que o INESC Porto oferece, é também um desafio para o nosso modelo de organização em Unidades.

E para terminar, uma anedota corrente na gíria: “Um consultor é um tipo que nos pede o relógio e depois nos diz as horas.” Saibamos nós dar-lhe corda e mantê-lo acertado.

* Colaborador da Unidade de Engenharia e Sistemas de Produção (UESP)

O CONSULTOR DO LEITOR RESPONDE

Caro António,

Uma actividade de consultoria é uma expressão nobre do conhecimento. Eis uma pequena história.

Um  motorista tem uma avaria no seu carro. Como não é ignorante, lê o livro de instruções, verifica os fusíveis da caixa: tudo bem, mas a luz no tablier avisando que a bateria não está a ser carregada não se comove, está acesa e é vermelha. Resigna-se a ir a uma oficina, o mecânico diz-lhe: é do fusível, abre o capot e, de local inesperado, saca um fusível que não vinha assinalado no livrinho. Reposto um novo, milagre ou não, nenhuma luz no tablier alarma o condutor. Entre indignado e aliviado, o motorista pergunta: quanto é?, pensando no preço de um fusível, ao que o mecânico responde: quer ouvir uma história? E, sem esperar resposta, arranca. Uma vez um mecânico foi chamado a averiguar que causa impedia o motor de um camião de arrancar. Vários especialistas tinham rondado o bicho e nada, nem se comovia, a solução parecia ser desmontar e dar-lhe o destino de sucata. O mecânico pegou numa chave inglesa, debruçou-se sobre o motor, aplicou a ferramenta numa porca, rodou um quarto de volta, disse ligue o motor e vrrrruuuummm, tremeram os cavalos e ei-lo bufando como novo. Quanto é, perguntou o dono do camião e o mecânico respondeu em voz átona: um milhão. O quê?, um milhão só por apertar uma porca?, ao que ele respondeu: não, um milhão por saber qual porca apertar. Imagina-se o suor frio do motorista ao pensar no preço que lhe iria sair o fusível, mas o mecânico, depois do seu minuto sádico, bate-lhe no ombro e diz: não é nada, vá-se embora. Ainda hoje deve estar a pensar no susto que me pregou.

Consultor, é o que pega nos dados mas devolve informação. É preciso muita competência para se ser competente. Se isto sabe a Monsieur de la Palisse, seja. Bom trabalho, António.

 



INESC Porto © 2021  |Discutir no Forum   |Ficha Técnica   |Topo      

RESPONSABILIDADE: O BIP é um boletim irreverente e não oficial e os artigos e opiniões publicados não pretendem traduzir a posição oficial da instituição, sendo da responsabilidade exclusiva dos seus autores.