Número 4 Público / 18 Interno (Maio 2002)
Ficha técnica
Comentários e sugestões: bip@inescporto.pt

Destaque |Notícias |Editorial |A vós a razão |Tribuna |Galeria do insólito |Asneira livre |B.i.p |Especial |Arquivo |Início

 
INESC Porto consolida actividade em 2001

 

Foi recentemente aprovado, pelo Conselho Geral, o Relatório de Gestão e as Contas de 2001, bem como o Relatório de Actividades 2001. Sendo uma das funções do BIP "transmitir a todos os colaboradores a missão e os principais objectivos da instituição", aqui estamos a cumprir a nossa importante função informativa. Conheça todos os detalhes, desde os objectivos gerais para 2001 à evolução dos Recursos Humanos, passando pelas principais actividades de cada Unidade.

 

Os objectivos para 2001
Como refere o "Relatório de Actividades de 2001" previa-se para ano passado alguma instabilidade económica e política, com impacto nomeadamente no arrefecimento das actividades de desenvolvimento empresarial e nos atrasos verificados na implementação das medidas de apoio à inovação do POE.

Neste contexto, os objectivos do INESC Porto para o ano de 2001 assentaram sobretudo em dois vectores: na consolidação da instituição, dando sobretudo continuidade a alguns projectos que vinham a ser desenvolvidos, nomeadamente na vertente de recursos humanos e de organização interna; e no começo de uma fase de reflexão estratégica, potenciada pela conclusão do trabalho da Quaternaire e pela realização da avaliação da Comissão Externa de Avaliação.

Evolução dos Recursos Humanos

Como se pode observar no quadro acima, entre o ano de 2000 e 2001, verificou-se um aumento do número de docentes do Ensino Superior e de contratados no INESC Porto. Por sua vez, o número de bolseiros e outros (onde se incluem os estagiários) decaiu.

Distribuição de proveitos
O quadro abaixo indica a distribuição percentual dos proveitos em 2001 - cerca de 6.521.306,22 - pelas rubricas indicadas.

Novos Associados e parcerias estratégicas
Relativamente à captação de novos associados para o INESC Porto, a realidade conjuntural verificada em 2001 não era a mais propícia, pelo que a Direcção não desenvolveu actividades significativas nesta vertente.

 

 O ano de 2001 foi, no entanto, muito positivo em relação ao estabelecimento de parcerias estratégicas, uma vez que todos os objectivos apontados no Plano foram atingidos. Foram realizadas negociações com empresas e entidades de sectores que são tecnologicamente afins ao INESC Porto, bem como com entidades dos sectores onde temos vindo a apoiar a inovação tecnológica, tendo em vista o alargamento e a consolidação da actividade desenvolvida.

É importante realçar os sectores do têxtil e do vestuário, dos fornecedores da indústria automóvel e ainda entidades ligadas à administração local e à saúde com as quais se prepararam candidaturas conjuntas a projectos mobilizadores dos vários Programas Operacionais, nomeadamente da Economia (POE), da Saúde (POS) e da Sociedade de Informação (POSI). Em paralelo, foi estabelecido um protocolo de colaboração com a PME Capital visando a colaboração no lançamento de novas empresas baseadas em tecnologias TIT&E.

 

Reorganização e consolidação interna
As acções desenvolvidas na vertente de reorganização e consolidação interna centraram-se em três vectores: Organização, Recursos Humanos e Comunicação Interna.

Relativamente à Organização, concluíram-se estudos sobre estratégia e organização do INESC Porto, os quais determinaram a realização de alterações à organização interna. Neste contexto, ultimou-se o processo de implementação de uma subdivisão das Unidades - as Áreas - pretendendo atingir os seguintes

objectivos: agrupar competências por áreas científico-tecnológicas ou por sectores de aplicação, criando assim grupos com dinâmicas próprias e com capacidade de planear e gerir a sua evolução futura; flexibilizar a gestão das unidades de maior dimensão, aumentando a sua capacidade de resposta operacional; e formar uma camada intermédia de pessoal com capacidades de coordenação e de gestão.

Ao nível da gestão dos recursos humanos, procurou-se durante este ano intervir em alguns aspectos nomeadamente através da criação e implementação de uma política remunerativa bem como da definição de um sistema de gestão de carreiras e de mecanismos de avaliação de desempenho, para todos os tipos de ligação e categorias de colaboradores do INESC Porto.

Complementarmente, e com vista a melhorar os processos de comunicação interna, promoveu-se o lançamento de um boletim electrónico (o BIP) com os seguintes objectivos específicos: dar a conhecer os projectos e actividades em curso na instituição; dar a conhecer as pessoas que fazem parte do INESC Porto; transmitir a todos os colaboradores e de forma consistente a missão e os principais objectivos da instituição; constituir-se como um espaço aberto de apresentação e de discussão de ideias; e promover a coesão interna, o espírito de grupo e a convivência entre os colaboradores da instituição.

Novas instalações
O relatório refere igualmente a construção das novas instalações do INESC Porto na Asprela, cuja responsabilidade compete ao INESC. Esta construção iniciou-se no ano de 2001 e a sua conclusão está prevista para o 1 semestre de 2002, implicando a transferência da actividade novamente para junto das instalações da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto.

 

Avaliação da Comissão Externa
Realizou-se, em 2001, mais um processo de avaliação/aconselhamento pela Comissão Externa de Acompanhamento Científico. A visita foi muito importante para a análise da actividade do INESC Porto e definição de estratégias futuras.

Dando seguimento às recomendações da Comissão, considerou-se fundamental a implementação de uma actividade regular e continuada de identificação de oportunidades de valorização dos resultados dos projectos de I&D desenvolvidos na instituição. Para tanto, lançou-se um projecto piloto que visa levar a cabo um levantamento dos resultados disponíveis, identificar os de maior potencial, elaborar estudos de mercado e de viabilidade económico-financeira, preparar dossiers de investimento e assessorar a Direcção em eventuais negociações subsequentes.

 

Actividades do Conselho Científico
No ano de 2001, o Conselho Científico sofreu várias alterações, nomeadamente a do seu presidente, Manuel Matos, eleito em Março, depois de um período transitório assegurado pelo decano do Conselho, José Ruela.

O Conselho deu parecer sobre a nova constituição da Direcção para o biénio 2001-2002, a pedido do Conselho Geral, e analisou também os relatórios e planos que lhe foram submetidos, emitindo o parecer respectivo. No caso do relatório correspondente ao financiamento plurianual, o presidente coordenou e dinamizou a produção, com a colaboração dos Coordenadores das Unidades.

 

O Conselho retomou ainda a iniciativa, entretanto suspensa, da elaboração de um volume de publicações científicas representativas da actividade da instituição, nomeando editores para os volumes do ano 2000 e 2001.

Finalmente é de referir o envolvimento do Conselho no processo de avaliação/aconselhamento realizado pela Comissão Externa de Acompanhamento Científico.

 

Actividades da UESP em 2001
Em 2001, na Unidade de Engenharia de Sistemas de Produção, foram realizadas actividades em 15 projectos suportados por programas nacionais de apoio à I&D. A saber: os projectos Multicombo, Seti e CLPnest no âmbito dos projectos Praxis XXI de I&D, o projecto Qualfit no âmbito do Praxis de I&D em consórcio, os projectos Pronegi, Sicap, Sabe, Displan, Supra, Step, Autoflow, Disave, CIC-NET, IED e X-Plan no âmbito da Iniciativa Comunitária PME.

A UESP esteve ainda envolvida em 7 projectos Europeus em 2001: os projectos IST Damascos, Mediat-SME, Co-operate, Smart-SME e o cluster Expide e o projecto IRC Portugal, com início em 2000 prosseguiram as suas actividades de acordo com o planeado. Teve início neste ano um novo cluster no âmbito do programa IST - o projecto Think Creative.

 

Relativamente à prestação de serviços, a Unidade trabalhou na concepção e desenvolvimento de um sistema de optimização do aproveitamento de barras de aço para a empresa F. Ramada e de um sistema SCADA para a área da energia com a EFACEC.

A UESP realizou igualmente os contratos de suporte à empresa SONAFI, relativo aos sistemas desenvolvidos pelo INESC, SINQCAP e SQM; e de consultoria para o apoio na análise de requisitos e selecção de sistemas de informação de gestão para a empresa VINOCOR.

 

Em 2001, foram ainda celebrados contratos de desenvolvimento de um sistema de apoio ao planeamento de cortes de rolos de papel para a empresa Companhia de Papel do Prado; e de apoio à implementação e instalação de transportadores de costura, com a empresa Lirel.

Por último, foi assinado um contrato de distribuição do sistema PROFIT com a empresa Tecnotron, no âmbito do qual foi iniciada a instalação das aplicações de Gestão da Qualidade e Gestão da Manutenção. Além dos contratos referidos, a Unidade organizou a conferência MIC'2001 - 4th Metaheuristics International Conference.

Actividades da UOSE em 2001
A Unidade de Optoelectrónica e Sistemas Electrónicos esteve envolvida, durante 2001, em 16 projectos nacionais. Sete destes foram financiados pela Fundação das Universidades Portuguesas numa colaboração com a Marinha Portuguesa e estão relacionados com a utilização de tecnologias optoelectrónicas na área ambiental.

O projecto de maior dimensão é um consórcio dedicado à caracterização ambiental de lagunas e estuários, especificamente a Ria de Aveiro, e envolve uma empresa de cablagens de fibra óptica e dois grupos de I&D com competências em geofísica. Um outro pequeno projecto orientado ao uso de tecnologia optoelectrónica para a detecção de poluição por hidrocarbonetos em pequenos cursos de água foi iniciado no ecossistema da Lagoa de Paramos/Barrinha de Esmoriz.

 

Na área das comunicações ópticas decorreram os trabalhos de dois projectos em não linearidades em fibras ópticas e amplificação óptica. A área de microfabricação desenvolveu a sua actividade através de dois projectos com aplicações em deposição de filmes em materiais protésicos. Aplicações de sensores de fibra óptica em estruturas de construção civil e monitorização de cura de materiais compósitos foram investigadas em dois projectos.

Em 2001, a Unidade participou ainda em dois projectos europeus: uma rede de formação pós-graduada na área de fotossensibilidade; e uma rede europeia de entidades, universidades, centros de investigação e empresas, na área dos sensores de fibra óptica.

 

Relativamente à prestação de serviços, a UOSE desenvolveu dois projectos de transferência de tecnologia. Os clientes foram um Arquivo Municipal e um grupo de I&D na área da Mecânica tendo como cliente final uma associação desportiva.

Actividades da USE em 2001
Em 2001, a Unidade de Sistemas de Energia esteve envolvida nos projectos nacionais "Dispositivos distribuídos actuando como agentes autónomos inteligentes aplicadas a Sistemas de Energia" e INTELECTOOL (desenvolvimento de metodologias integradas de previsão espacial de consumos e planeamento de redes eléctricas com base em suporte GIS - Geographic Information Systems).

 

Terminou também o projecto Winner-up, co-financiado pelo programa ICPME, liderado pela Enervento, onde foi realizado o desenvolvimento e teste de novos sistemas de conversão de energia eólica.

Relativamente a programas europeus, a Unidade continuou a sua participação no projecto "MORE CARE", que pretende expandir e aprofundar as funcionalidades do protótipo desenvolvido no anterior projecto CARE (controlo de sistemas isolados com elevada penetração de renováveis). 

 

Foi prorrogado o contrato da OPET Portugal, de que a Unidade foi uma das instituições criadoras. No âmbito desta Organização, realizou-se o Workshop "Encontro OPET - As Melhores Tecnologias em Sistemas Eólicos e Solares Fotovoltaicos". Houve ainda participação nos eventos: OPET Mercosur RoadShow (Rural electrification), Buenos Aires e OPET Mercosur RoadShow (Renewable Energy &Tourism), Santiago de Chile.

Relativamente à prestação de serviços, a USE continuou o envolvimento no projecto DMS-EFACEC que já vem de anos anteriores, no qual se especificaram e desenvolveram diversos módulos científicos para o sistema de gestão técnica de redes de distribuição que a EFACEC comercializa (com instalações em diversos países), tendo-se estabelecido um contrato de manutenção.

Em relação aos restantes projectos, salientam-se o DYNAMIC com a REN e o ERSE-LIG com a ERSE (ambos concluídos). Começaram as conversações para dois novos projectos (ERSE-Plan e ERSE-QoS) e iniciou-se um contrato conjunto com a REN e a EDP com o objectivo de avaliar técnica e economicamente os benefícios para o SEP resultantes da alteração dos limites da energia reactiva a partir dos quais há facturação aos clientes.

 

Desenvolveram-se igualmente estudos relativos ao impacto da integração de parques eólicos e mini-hídricas, envolvendo simulações em regime estacionário para vários cenários de exploração do SEP. Teve ainda início a ADPaiva, uma acção de consultoria de ajuda à decisão multicritério em relação a um concurso público, e concluiu-se para os STCP uma acção de consultoria de ajuda à decisão multicritério em relação a um concurso público.

A Unidade organizou as conferências internacionais IEEE Porto Power Tech, com cerca de 450 participantes de mais de 20 países, e RIMAPS - Euro Conference on Risk Management in Power System Planning and Operation in Market Environment. Dois investigadores da Unidade desempenharam também funções de avaliação de projectos no âmbito de programas de IDT da União Europeia.

 

Iniciou-se o projecto Rede CELPA (Brasil), em colaboração com o NESC/UFPA, para instalação de software de optimização da configuração de redes de distribuição. Finalmente, concluiu-se com sucesso o projecto ENERGIS, com a criação de uma ferramenta informática para o apoio à planificação energética da região autónoma de La Rioja (Espanha), tendo como plataforma um GIS.

Actividades da USIC em 2001
Ao nível de programas nacionais a Unidade esteve envolvida em dois projectos no campo da Defesa: SICCE e TELEMIL.

O projecto SICCE é financiado pelo Ministério da Defesa e enquadra a colaboração da USIC com a Escola Prática de Transmissões (EPT), em torno do Sistema de Comando e Controlo do Exército (SICCE). Esta colaboração está enquadrada nas actividades do Army Tactical Command and Control Information System (ATCCIS) da NATO.

 

Com financiamento do Ministério da Defesa, o TELEMIL tem como objectivo a demonstração e desenvolvimento de soluções de telemedicina e informática médica para o Sistema de Saúde Militar. A USIC coordenou o projecto e foi responsável por desenvolvimentos no campo de Intranets para acesso aos dados do Banco de Sangue do Hospital Militar Principal e na georeferenciação de informação médica obtida durante as inspecções militares.

 

Em 2001, a maior parte das actividades da Unidade correspondeu a prestações de serviços para diversas entidades, como a AEP, a cujo Universo realizou uma auditoria tecnológica ao sistema de telecomunicações com o objectivo de optimizar a exploração dos sistemas de telecomunicações fixos e móveis e perspectivar a sua utilização estratégica no desenvolvimento das actividades deste universo empresarial.

A USIC desenvolveu igualmente os projectos CIFIAL (desenvolvimento de melhorias no Sistema SGA-60 para gestão de cartões para fechaduras electrónicas) e CIMERTEX (desenvolvimento de uma aplicação que permite consolidar toda a actividade de gestão do Departamento Comercial da empresa).

A Unidade disponibilizou ainda uma assessoria informática em Sistemas de Informação à Câmara Municipal de S. João da Madeira, apoiando o lançamento do seu portal Internet e a candidatura a um Espaço Internet. Colaborou também com as Câmaras Municipais do Porto (apoio em tecnologias de informação e comunicação), Felgueiras (apoio no domínio dos GIS) e Maia (desenvolvimento de sistemas e aplicações usando informação georeferenciada).

Ainda para o Porto, a USIC desenvolveu os projectos TVTEL (consultoria em sistemas de informação geográfica para este operador de TV por cabo), NORTE VIDA (desenvolvimento de uma aplicação com vista a gerir o apoio social aos Sem-Abrigo da cidade do Porto), SINUP (consultoria para a Sociedade Porto 2001, com vista a apoiá-la no desenvolvimento de aplicações para a gestão das suas actividades, integrando tecnologia GIS) e SIGA METRO (apoio ao Metro do Porto no desenvolvimento e estruturação de sistemas de informação georeferenciada).

 

A USIC participou ainda no projecto CRO (concepção e desenvolvimento de um sistema de gestão cadastral da rede óptica da PT Comunicações) e SIOP II (desenvolvimento de aplicação para gerir os contactos com clientes profissionais que alugam infra-estrutura à Portugal Telecom).

Na área das Telecomunicações participou igualmente no EURESCOM P907 (criação de uma metodologia para desenvolvimento de aplicações baseada em agentes inteligentes para esta área, assim como de ferramentas que suportem essa metodologia) e ENT (desenvolvimento de diversos módulos do sistema INOSS da Empresa Nacional de Telecomunicações para difusão de informação sonora e textual para os utilizadores de redes de transporte de passageiros).

 

O projecto EFACEC Sistemas de Electrónica foi desenvolvido no âmbito do sistema GENESYS de gestão de energia. Com o projecto RTPwap, a Unidade desenvolveu um sistema de conversão e publicação de teletexto para wap para a RTP Multimédia. A USIC apoiou ainda a concepção do site da Direcção Geral da Indústria.
Finalmente, para a DG Sociedade de Informação da Comissão Europeia, foi desenvolvido o projecto RUP com o objectivo de estudar o desenvolvimento da Sociedade de Informação nas Regiões Ultraperiféricas da União Europeia.

Actividades da UTM em 2001
Em 2001 desenvolveram-se, na Unidade de Telecomunicações e Multimédia, actividades em programas nacionais, europeus e prestação de serviços.

Em relação aos programas nacionais, as actividades desenvolvidas em 2001 decorreram predominantemente no contexto de projectos financiados pelo programa PRAXIS XXI e que se tinham iniciado em anos anteriores, nomeadamente nas áreas de Processamento de Sinais Áudio e de Análise e Síntese de Imagem.

 

A investigação na área do Processamento de Sinais Áudio desenrolou-se no âmbito de três projectos nacionais: Técnicas Avançadas de Processamento Aplicadas a Sinais Áudio Digitais; Metodologias para a Classificação Automática da Integridade Estrutural de Peças Cerâmicas; e Acções Integradas sobre o Sentido da Audição.

O primeiro tem como objectivos o desenvolvimento de novas técnicas de codificação óptima de áudio de alta qualidade, usando uma combinação de técnicas de codificação de fonte e perceptiva, transcrição de informação musical do formato PCM para o formato simbólico MIDI, e igualização automática e adaptativa de ambientes acusticamente fechados.

 

No segundo foi desenvolvido um novo método para a classificação automática e robusta da qualidade estrutural de peças cerâmicas (telhas), baseado na resposta acústica a impulsos mecânicos não destrutivos. O conceito foi demonstrado com a construção de um protótipo laboratorial.

O terceiro, enquadrado no Ciência Viva, tem como objectivo projectar e construir dois demonstradores educativos, que ilustrem a hidrodinâmica da cóclea do sistema auditivo humano e a medida da intensidade sonora.

Na área de Análise e Síntese de Imagem, que integra os domínios de Processamento de Imagem, Visão por Computador, Realidade Virtual e Computação Gráfica, desenrolaram-se cinco projectos nacionais: CASSILDE, IOpGIS, ICAVIP, CORAL e METAMEDIA2.

No projecto CASSILDE está a ser investigado um novo método de Design de Iluminação. Por sua vez, o projecto IOpGIS tem como principal objectivo enquadrar a OpenGIS Specification na Distributed Objects Technology e avaliar a importância da interoperabilidade entre aplicações GIS.

 

O projecto ICAVIP pretende investigar o uso da Análise de Componentes Independentes num tópico relacionado com o sistema visual humano: a dimensão da codificação esparsa de imagens no córtex visual primário. No projecto CORAL foi desenvolvida actividade nas áreas de multiplexagem dinâmica perceptiva, modelização de redes e análise de vídeo.

O projecto METAMEDIA2 desenvolve-se com base nos resultados do projecto METAMEDIA, tirando partido de uma maior maturidade das normas e do estado da arte na área das bases de dados, markup languages, análise de vídeo, descrição de conteúdos e interacção intuitiva.

 

O grupo de Microelectrónica deu continuidade à actividade no domínio do teste de sinais mistos (analógico-digitais), com especial ênfase no desenvolvimento de novos métodos paramétricos de teste e no projecto de testabilidade de Systems-on-Chip; esta actividade desenrolou-se no âmbito do projecto ABIS (Analogue BIST for Integrated Systems).

Relativamente a projectos europeus, durante 2001, concluiu-se o projecto DYNAD (Methods and draft standards for the dynamic characterization and testing of Analog to Digital converters) e tiveram início dois projectos do programa IST - ARROWS e CONTESSA.

O projecto ARROWS aborda o problema da gestão de recursos rádio e de qualidade de serviço em redes UMTS e permitiu reforçar a actividade no âmbito das redes móveis de terceira geração e explorar a actividade de I&D em curso no âmbito das redes IP. O projecto CONTESSA tem como principal objectivo desenvolver uma plataforma XML que permita acesso universal a informação multimédia, usando diversos canais de comunicação e fornecendo serviços de transcodificação, assim como a integração de conteúdos e de interfaces.

O projecto MOUMIR na área de representação de vídeo consistiu na definição e avaliação de métricas perceptivas para descrição de conteúdos e na implementação de ferramentas de software para extracção de alguns dos descritores de vídeo MPEG7. No âmbito do projecto G-FORS, foi concluído o desenvolvimento do software para manipulação de ficheiros MXF e promovida a sua utilização.

 

No contexto do G-FORS, um SDK open source está a ser desenvolvido mediante contrato com a IRT/EBU no âmbito do projecto Packetized Interfaces in Television Production e os resultados do trabalho desenvolvido foram apresentados na NAB'2001 e na IBC'2001. Com o objectivo de dar continuidade ao trabalho realizado e visando a demonstração e exploração dos resultados, o consórcio submeteu uma proposta de um novo projecto IST (NUGGETS).

O projecto METAVISION visa o desenvolvimento de um sistema electrónico de produção inovador, com o objectivo de reduzir o custo de produção de filmes e permitir uma maior flexibilidade nas operações de filmagem e edição. Pretende igualmente desenvolver as tecnologias de suporte que permitam a integração de imagens reais e virtuais com qualidade de fonte, para produção de filmes e utilização em estúdios de Televisão, no domínio comprimido.

No que diz respeito à prestação de serviços, foram completados o desenvolvimento e a integração dos componentes da arquitectura ORBIT, que visa a manipulação de conteúdos multimédia em estúdios de Televisão Digital. Em 2001 prosseguiu igualmente a participação em dois projectos do programa IST (VESPER e WINMAN), por subcontratação da PT Inovação.

No âmbito do projecto VESPER, que tem por objectivo definir e construir um protótipo de uma arquitectura Virtual Home Environment, foi especificado e desenvolvido um componente VHE Discovery, que identifica os serviços subscritos por um utilizador, e que estão disponíveis num perfil de utilizador. Para validar a arquitectura foi igualmente especificado e desenvolvido um serviço de apoio a clientes de uma empresa.

No projecto WINMAN foi desenvolvido um componente que realiza encaminhamento IP sujeito a restrições de Qualidade de Serviço e que foi incluído na arquitectura de gestão de um domínio Multiprotocol Label Switching desenvolvida pelo projecto.

Finalmente, concluiu-se participação no projecto STAT, actividade essencialmente de consultoria prestada à CDFTel para o desenvolvimento de um protótipo de um sistema de teste da pilha protocolar TCP/IP, utilizável em testes de conformidade, a exemplo do que acontece com protocolos adoptados em redes públicas.