B O L E T I M Número 61 de Abril 2006 - Ano VI

 BIP in English  BIP in English 

Início Destaque Editorial Especial Arquivo
   

E S P E C I A L

IV Mostra de Ciência, Ensino e Inovação da U.Porto

INESC Porto surpreende

Imagem Principal Artigo

Estar na Mostra da U.Porto é já uma presença obrigatória para o INESC Porto. De 16 a 19 de Março, 20 colaboradores da nossa instituição participaram na 4ª Mostra de Ciência, Ensino e Inovação da U.Porto, organizada pela Reitoria da Universidade do Porto, que assinalou o 95º aniversário da Universidade do Porto. Durante quatro dias, 14 faculdades e 40 unidades de investigação marcaram presença na Mostra e foram registadas cerca de 12 mil entradas no Pavilhão Rosa Mota.

O contacto com o público
A Mostra da Ciência, Ensino e Inovação da U.Porto tem como objectivo mostrar aos alunos do secundário a vida universitária e os cursos que a Universidade tem para lhes oferecer no prosseguimento dos estudos.

Paralelamente, a Mostra também pretende aproximar a população à Universidade e mostrar toda a sua actividade. Os visitantes podiam fazer experiências, rastreios de saúde, medir a tensão arterial, fazer diagnósticos de memória ou até mesmo assistir a uma simulação computorizada de um parto.

Espaço do INESC Porto
Este ano o INESC Porto surpreendeu tudo e todos com a apresentação da maqueta da futura ponte ferroviária sobre o rio Douro para o comboio de alta velocidade, instrumentada com um sistema integrado de monitorização constituído por diferentes tipos de sensores de Bragg. E, ainda com um tapete de medição do salto através de fibras ópticas.

A ponte de todas as atenções
A maqueta da ponte do TGV esteve no centro de todas as atenções, mas só pelo seu tamanho já despertava a curiosidade dos visitantes. A maqueta exibe o sistema que deve garantir a segurança do projecto TGV, no caso de ser aprovado.
A monitorização do comportamento de uma maqueta construída à escala permite o estudo da fadiga dos vários componentes da estrutura, ao exemplo da indústria aeronáutica, e a transposição dos resultados da análise em modelo para a obra real, de forma a minimizar os riscos de segurança e de gastos em manutenção desnecessários.
Os sensores de Bragg, por serem baseados em fibra óptica permitem construir sensores de deformação com dimensões muito reduzidas (da ordem dos 10mm), ligados entre si em série, sendo necessário apenas um cabo para cada conjunto de 20 sensores. Estas características facilitam a sua aplicação em estruturas de pequenas dimensões, como as maquetas, reduzindo dramaticamente os custos de instalação.
A elaboração da maqueta da ponte para o comboio de alta velocidade ficou a cargo da Faculdade da Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), de AFAssociados Projectos de Engenharia, SA, da FiberSensing e do INESC Porto, tendo sido desenhada pelo arquitecto Álvaro Siza.

O tapete de medição de altura de salto
Outro protótipo apresentado pelo INESC Porto foi o tapete de medição de altura de salto, desenvolvido por Rosa Muniz, da Unidade de Optoelectrónica e Sistemas Electrónicos (UOSE).
Utilizando sensores de fibra óptica e com fins didácticos, o tapete permite medir a altura do salto, através de um osciloscópio.

Discurso directo
Para oferecer uma visão mais real aos leitores, o BIP entrevistou alguns colaboradores que participaram no evento, representando o espaço do INESC Porto, e outros que visitaram a Mostra.

Colaboradores que participaram no evento

André Madureira (USE)
- Com que impressão ficou deste evento?
Penso que foi um evento bastante interessante, como ficou comprovado pela elevada adesão de público. Em particular, os jovens pareceram sempre empenhados em aprender e as actividades propostas eram, em geral, criativas, apelativas e formativas.

- Na sua opinião, qual é a importância da participação do INESC Porto nesta Mostra?
Penso que a participação do INESC Porto é bastante importante sobretudo porque a maioria do público desconhecia a existência da instituição ou, pelo menos, do trabalho que aqui se realiza.

- Em relação aos projectos em exposição, notou interesse por parte dos visitantes? A que níveis?
Penso que os projectos em exposição denotaram um elevado grau de interesse por parte do público presente, em especial no correspondente a uma faixa etária mais reduzida, entusiasmada com os aspectos mais visualmente apelativos dos projectos. Neste sentido, a ponte foi um "chamariz" bastante eficaz...

- O que poderia ser melhorado no espaço do INESC Porto e na organização da nossa participação em geral?
Penso que de uma forma geral o espaço do INESC Porto estava bem organizado e, consequentemente, a instituição teve uma participação inteiramente satisfatória.

Luís Teixeira (UTM)
- Com que impressão ficou deste evento?
Em comparação com a minha última colaboração há dois anos atrás, talvez por estar presente num horário diferente, esta Mostra pareceu-me contar com participação e interesse acrescidos por parte do público em geral e da imprensa. Na sua generalidade, as universidade e institutos presentes revelaram uma preocupação de captar a atenção dos mais jovens através de experiências interactivas. A Mostra afastou-se do aspecto de uma feira no sentido clássico, com stands, que distanciariam mais o público dos trabalhos expostos, o que também me pareceu positivo.

- Na sua opinião, qual é a importância da participação do INESC Porto nesta Mostra?
Dado tratar-se de uma Mostra promovida pela U.Porto, a presença do INESC Porto é sempre importante. No entanto, é expectável que o público seja maioritariamente pré-universitário e, nesse contexto, a visibilidade do INESC Porto é relativa, não obstante o importante papel da nossa instituição na promoção da inovação em Portugal. Fora deste contexto, a visibilidade será tanto maior quanto maior for a proximidade dos projectos expostos com as questões e problemas que dizem algo à sociedade. Este ano isso aconteceu com a maquete da ponte, verificando-se os consequentes aumentos de interesse e visibilidade... com mais ou menos atropelos à verdade pelo meio.

- Em relação aos projectos em exposição, notou interesse por parte dos visitantes? A que níveis?
Em conformidade com a minha resposta à pergunta anterior, não deverá constituir qualquer surpresa que a maqueta da ponte suscitou grande interesse por parte de todos os visitantes, tanto pelo impacto visual da mesma, como pela curiosidade sobre os sensores de fibra óptica, ou mesmo pela "eventual-futura" ponte. Isto sem esquecer o tapete de medição do salto em altura, perfeitamente em sintonia com espírito interactivo com o público mais jovem que referi antes.

- O que poderia ser melhorado no espaço do INESC Porto e na organização da nossa participação em geral?
Creio que não há nada que se possa apontar a todos que participaram na organização e montagem do espaço. Apesar de algumas contrariedades normais, os responsáveis pelos projectos expostos foram de uma dedicação e entusiasmo assinaláveis a resolver os problemas e a responder a quaisquer dúvidas. Em relação ao espaço, talvez devido ao menor número de projectos presentes, a localização e disposição do espaço estavam melhor conseguidos comparativamente com a minha experiência anterior. Em resumo: parabéns a todos que colaboraram e que sirvam de inspiração para que em próximos eventos o INESC Porto possa ter mais áreas representadas.

Luís Ribeiro (USE)
- Com que impressão ficou deste evento?
É um evento muito interessante e de louvar no sentido em que é um modo bastante cativante e funcional de chamar a atenção dos jovens para a ciência, dando-lhes hipóteses de terem um maior contacto com esta e de poderem observar o que se vai fazendo em Portugal nesta matéria.

- Na sua opinião, qual é a importância da participação do INESC Porto nesta Mostra?
É muito importante, pois sendo o INESC Porto um instituto de excelência em matéria de ciência e inovação, considero a nossa participação essencial nestes eventos.

- Em relação aos projectos em exposição, notou interesse por parte dos visitantes? A que níveis?
Infelizmente não tive o tempo que desejava para circular no evento, mas pelo que pude ver foram apresentados bons projectos e ideias das diversas áreas representadas. Os que despertaram mais interesse foram aqueles em que era possível um maior contacto por parte destes com o que se estava apresentar.

- O que poderia ser melhorado no espaço do INESC Porto e na organização da nossa participação em geral?
Acho que o INESC Porto cumpriu bem a sua missão e tendo uma presença agradável e cativante. Nestes eventos é muito importante que o que formos mostrar ao público seja algo que cative e que seja palpável e dinâmico, atraindo deste modo a curiosidade dos visitantes. Na minha opinião, os projectos apresentados cumpriram esses pontos, despertando grande curiosidade sobre os projectos e pela instituição.

João Marques (UESP)
- Com que impressão ficou deste evento?
Foi um evento muito educativo e de interacção com outras áreas. No entanto, era um pouco mais difícil explicar aos miúdos, pois não tinham bases suficientes para tal.

- Na sua opinião, qual é a importância da participação do INESC Porto nesta Mostra?
Muito importante, até porque muitas pessoas pensavam que o INESC Porto pertencia à Faculdade de Engenharia e não é assim. A Faculdade é apenas um sócio. Muitas das pessoas ficaram admiradas pois pensavam que o INESC Porto era apenas uma empresa de consultadoria.

- Em relação aos projectos em exposição, notou interesse por parte dos visitantes? A que níveis?
Apenas no projecto da ponte, pois o outro não se encontrava em funcionamento. As pessoas perguntavam mais onde seria a nova ponte, se os sensores iriam conseguir resistir à velocidade do TGV, qual era o propósito dos sensores.

- O que poderia ser melhorado no espaço do INESC Porto e na organização da nossa participação em geral?
Um rascunho com algumas respostas, para o caso de alguém se esquecer.

Rita Sousa (USE)
- Com que impressão ficou deste evento?
Muito boa impressão. Não conhecia e achei que todos os visitantes estavam lá com extremo interesse e motivação.

- Na sua opinião, qual é a importância da participação do INESC Porto nesta Mostra?
É uma boa maneira de dar a conhecer o INESC Porto, seus trabalhos, etc., para camadas mais jovens se aperceberem do nosso trabalho.

- Em relação aos projectos em exposição, notou interesse por parte dos visitantes? A que níveis?
O meu caso não é muito exemplar, dado que 90% dos visitantes foram crianças entre os cinco e os dez anos (talvez por causa da hora), claro que assim, obviamente, o interesse era saber como é que se controlava o comboio e porque é que ele parava no meio da ponte… Mas toda a gente esteve sempre muito interessada!!!

- O que poderia ser melhorado no espaço do INESC Porto e na organização da nossa participação em geral?
Apontamento mínimo: um placar bem grande com o texto que estava nos papelinhos A6 ajudaria, e mais papelinhos A6, que se acabaram num instante.


Colaboradores que visitaram a Mostra da U.Porto

Jorge Santos (DIL)
- Com que impressão geral ficou deste evento?
Esta mostra para mim foi muito positiva, porque me deu uma perspectiva do que de melhor se faz nas universidades. Para os alunos que estão com dúvidas para que área devem ir, este evento é o melhor conselheiro.

- Na sua opinião, qual é a importância da participação do INESC Porto neste evento?
Sendo o INESC Porto uma instituição virada para as novas tecnologias, este é o melhor meio de expansão e de afirmação que se pode ter.

- O que mudaria no espaço do INESC Porto e na organização da nossa participação em geral?
A nossa instituição tem que ter muito mais cuidado nas apresentações públicas. Os eventos são de todos e para todos, como tal, temos que ajudar e participar para que a imagem que damos para o exterior seja de unidade e não de meia dúzia de pessoas que dá tudo o que tem pela instituição e os outros vivem na sombra dos louros.
Temos o caso deste último evento. Nas últimas horas só estava uma pessoa junto do stand, com muita boa vontade e cheia de brio, mas, em caso de avaria não tinha soluções nem conhecimentos para os resolver. Isto é muito mau para a imagem que deixamos. Nos outros stands víamos várias pessoas a informar todos os visitantes, no nosso as pessoas tinham duas soluções: ou iam embora ou esperavam pela sua vez para saber o que era aquela ponte tão grande que estava ali, e para que servia (quando trabalhava)! Não vi apoio técnico para a resolução dos problemas.

Vladimiro Miranda (Direcção)
- Com que impressão geral ficou deste evento?
Um evento com algum interesse mas muito assimétrico no seu conteúdo. Algumas instituições mostraram efectivamente aspectos de ciência e tecnologia, mas noutros casos apareceram coisas que seriam mais próprias de eventos do tipo Ciência Viva (para interessar os jovens) do que uma mostra de Ciência na Universidade do Porto. Creio que haverá uma certa confusão de conceito e nos objectivos que se supõe atingir. É evidente que é uma exposição para o grande público, mas acabámos por encontrar extremos desde ratinhos trangénicos ou a "botija da menina" (interessante desenvolvimento made in INEGI) até consultas avulsas sobre a hidratação da pele ou sobre a miopia dos visitantes... o que de mostra de ciência nada tiveram, embora muito povo acudisse.

- Na sua opinião, qual é a importância da participação do INESC Porto neste evento?
Numa mostra de ciência da Universidade do Porto o INESC Porto nunca poderá estar ausente - e a sua presença tem que poder transmitir a inovação e ciência que na casa se fazem, ainda que correndo o risco de alguns não perceberem bem e acharem que vamos fazer pontes de tipo gigantesco túnel em fibra óptica... o que eu rebolei de riso...

- O que mudaria no espaço do INESC Porto e na organização da nossa participação em geral?
Neste ano, não mudaria nada. Todavia, a nossa participação foi assegurada pela imensa dedicação de algumas pessoas, muito em particular do Serviço de Comunicação e da UOSE e acho que lhes devo um reconhecimento e um obrigado sentido. Este aspecto da nossa união também, se pudesse, nunca o mudaria.

Leonel Cardoso (DIL)
- Com que impressão geral ficou deste evento?
A impressão geral que tive em relação a este evento, foi positiva, na medida em que pude constatar uma série de experiências científicas que se estão a desenvolver no seio da universidade e que demonstram dinâmica e empenho por parte dos nossos investigadores e que muitas vezes não é visível nem valorizado, porque as iniciativas deste género ainda continuam a ser em número insuficiente e escassas!

- Na sua opinião, qual é a importância da participação do INESC Porto neste evento?
Penso que a participação do INESC Porto neste tipo de eventos é muito importante, pois sendo o INESC Porto um centro de investigação por excelência, existe uma oportunidade única de divulgar tudo o que de bom e inovador se faz dentro da Instituição, além de promover a própria imagem e cativar possíveis potenciais investigadores e investidores do mundo empresarial.

- O que mudaria no espaço do INESC Porto e na organização da nossa participação em geral?
Essencialmente dentro da organização a falta de planeamento em relação aos recursos humanos destacados para este tipo de eventos, pois muitas vezes é necessário determinados esclarecimentos técnicos sobre os projectos apresentados e não está ninguém presente para esclarecer dúvidas! Salvo o empenho que é de louvar da Sandra Pinto e, mais recentemente, da Lúcia Sousa que sempre deram a cara!

José Luís Santos (UOSE)
- Com que impressão geral ficou deste evento?
Fiquei com a impressão de que esta organização está já consolidada e na agenda das escolas do ensino básico e secundário do Grande Porto. De facto, o número de visitantes excedeu muito as expectativas iniciais, segundo informações que obtive. Também, a visibilidade da Mostra foi maior pela intervenção da comunicação social. Quanto ao conteúdo do certame, foi na linha das edições anteriores o que é justificável já que o esforço necessário (tempo, recursos humanos e suporte financeiro) para preparar novos demonstradores é muito grande, como muito bem conhece a UOSE.

- Na sua opinião, qual é a importância da participação do INESC Porto neste evento?
Este ano o INESC Porto teve provavelmente o espaço mais mediático pela presença da ponte instrumentada. O esforço foi enorme em termos de logística, mas recompensado pela visibilidade que deu à instituição. Duma forma geral, o INESC Porto tem o dever de estar neste tipo de encontros com algo que se veja e atraia as atenções, considerando a sua missão e alcance da sua actividade no domínio da inovação tecnológica.

- O que mudaria no espaço do INESC Porto e na organização da nossa participação em geral?
Atendendo às características da Mostra, parece-me que não há muito a inovar, excepto no tentar colocar coisas novas todos os anos.

A visita de alguém conhecido...
No último dia da Mostra de Ciência, Ensino e Inovação da U.Porto e já a prepararmo-nos para a desmontagem do nosso espaço no Pavilhão Rosa Mota, recebemos a visita de Pedro Abrunhosa, que se mostrou bastante interessado pela maqueta do TGV com o comboio que a alta velocidade, e que nos deixou o seu autógrafo. Para que não haja dúvidas, aqui fica o registo para a posterioridade...







INESC Porto © 2021  |Discutir no Forum   |Ficha Técnica   |Topo      

RESPONSABILIDADE: O BIP é um boletim irreverente e não oficial e os artigos e opiniões publicados não pretendem traduzir a posição oficial da instituição, sendo da responsabilidade exclusiva dos seus autores.