Número 5 Público / 19 Interno (Junho 2002)
Ficha técnica
Comentários e sugestões: bip@inescporto.pt

Destaque |Notícias |Editorial |A vós a razão |Tribuna |Galeria do insólito |Asneira livre |B.i.p |Especial |Arquivo |Início

 

II Torneio de Futebol do INESC Porto:
Pensamentos de um vencedor

 

Por João Orvalho *

Começo por saudar a organização de eventos desportivos por parte do INESC Porto, esperando que estes continuem e que, no futuro, possamos contar com uma participação mais activa da facção feminina. A edição de 2002 revelou-se muito competitiva e participada, tendo a emotividade e competitividade aumentado com o decorrer do torneio.

Estes eventos são um motivo de convívio, uma forma saudável de fomentar o espírito de equipa e uma oportunidade para conhecer colegas da instituição.

Sou um dos membros da equipa vencedora do II Torneio de Futebol do INESC Porto, UTM1, constituída por valorosos guerreiros, aos quais gostava de agradecer individualmente:

- Rui Oliveira: capitão de equipa, especialista em arbitragem e melhor marcador do torneio (Xixa, conseguiste o bi...);
- Ernesto Santos: o nosso esteio defensivo;
- Luís Barral: a consciência moral da equipa ("o jogador mais simpático e honesto do torneio" - autodescrição que subscrevo totalmente);
- Jaime Cardoso: simplesmente o melhor jogador do torneio;
- Vítor Teixeira: atleta incansável, sempre disposto a mais uma corrida, a mais um esforço pela equipa;
- Rui Castro: o homem dos cantos, marcador de golos fundamentais para a nossa passagem à final;
- Paulo Ribeiro: o melhor guarda redes do torneio e alma da equipa (fizeste-me acreditar que era possível...);
- Mário Cordeiro: a nossa arma secreta, que felizmente não precisámos de utilizar.

Mas que seria da glória dos vencedores sem os vencidos? Que significaria ser primeiro se não houvesse segundos? Esta interdependência e dualidade impele-me a estender os agradecimentos...

- UTM2: equipa que dominou a época regular (primeira fase do torneio) e uma das melhores do torneio (foi a equipa com mais golos marcados e menos sofridos). Alguns dos seus elementos devem ser destacados pessoalmente: Pedro Ferreira, pelos conselhos tácticos e observações pertinentes; Vítor Rodrigues e Joel Carvalho, que através das suas prestações goleadoras (18 golos cada), "obrigaram" o "Xixa" a bisar na final do torneio para ser o "artilheiro"; e o Orlando Ribeiro, pela sua presença intimidatória no jogo da final (ainda que estivesse na bancada).
- USIC: ao vencerem a UESP num dos últimos jogos da época regular, evitaram que a nossa equipa defrontasse UESP na meia final. Agradeço especialmente ao João Paulo e ao Zé Carlos (cumpriste a promessa).
- Photonicos: têm a distinção de serem a única equipa a derrotar-nos durante todo o torneio.
- UESP: juntamente com UTM2, a melhor equipa do torneio (aliás considerava a meia final em que ambas participaram como uma final antecipada) e vice-campeões pela segunda vez. Aníbal, não te esqueças, à terceira é de vez (bom, de facto a sabedoria popular é infinita e está precavida para todas as situações [1]) .
- Power All Stars: os nossos mais difíceis adversários. Se fosse boxe, teriam sido dois combates com uma decisão por pontos no final dos doze "rounds".

E que seria de um torneio sem uma boa organização?
- Sandra: organizadora e fotógrafa oficial do torneio (para o ano compra no mínimo 5 coletes, - ideal seriam 7 - para permitir que a troca seja feita entre elementos do banco).

Numa análise geral, podemos constatar que a UTM dominou o torneio de futebol. Na época regular UTM2 e UTM1 ocuparam o primeiro e segundo lugares, respectivamente. Na classificação final, estas duas equipas ficaram em primeiro (UTM1) e terceiro (UTM2). Por último, os três melhores marcadores do torneio, Rui Oliveira (UTM1 - 19 golos), Vítor Rodrigues (UTM2 - 18) e Joel Carvalho (UTM2 - 18), pertenciam à Unidade de Telecomunicações e Multimédia.

A nota mais negativa, que nos causou alguma frustração, foi a não comparência da direcção do INESC Porto (ou de algum dos seus elementos) na cerimónia de entrega dos troféus. Facto compensado pela monopolização de todos os prémios do torneio por parte da nossa equipa (taça de vencedor e medalha de melhor marcador do torneio). Como sugestão, penso que para o ano deverá haver uma T-shirt para todos os participantes do torneio (aliás, como aconteceu na primeira edição...) que sirva de recordação do evento desportivo.

De forma a dar desde já o pontapé de saída para um III Torneio de Futebol do INESC Porto, mostramo-nos desde já disponíveis para, quem pretender mostrar que é melhor que UTM (a jogar futebol), participar em eventuais jogos de desforra. Para rentabilizar o sucesso obtido e imitando as equipas profissionais, das quais não ficamos nada aquém, o nosso cachet será de 100 mais despesas.

 

[1] "Não há duas sem três"

P.S.: O tema que inicialmente tinha pensado escrever era sobre "Liberdade de expressão e a crescente privatização do conhecimento e informação". Pretendia reflectir sobre os problemas associados à chamada "propriedade intelectual", expressão, aliás, com a qual eu não concordo. A informação ("propriedade intelectual") não possui as duas características essenciais da propriedade (física) - não é exclusiva (várias sujeitos podem utilizá-la simultaneamente sem que interfiram uns com os outros) nem é escassa (como pode ser convertida para um sinal digital, é infinitamente duplicável e durável).
Como eu gosto de dizer, "Propriedade Intelectual" é censura. Mas isso fica para outra oportunidade.

Uma versão mais longa deste texto encontra-se disponível em http://koala.inescn.pt/~jorvalho/futebol/textobip.html
 

* Colaborador da Unidade de Telecomunicações e Multimédia (UTM)

 

 

    ASNEIRA LIVRE

   Espaço para opiniões, sugestões e críticas dos colaboradores, onde as contribuições são publicadas sem qualquer
   intervenção editorial.
  
As opiniões/sugestões/críticas podem ser enviadas para bip@inescporto.pt, não devendo ultrapassar os 2500 caracteres
   (espaços entre palavras incluídos).