B O L E T I M Número 76 de Outubro 2007 - Ano VII

 BIP in English  BIP in English 

Início Destaque Editorial Especial Arquivo
 


O p i n i ã o  

  • A Vós a Razão
  • Colaboradora sugere: "A diferença pode ser um bom ingrediente para uma receita conseguida"...

  • Asneira livre
  • Colaborador propõe: "Vamos todos continuar esta saga de procura do conhecimento, sempre tendo em conta melhorar as condições de vida de todos e cada um dos habitantes desta nossa aldeia global".

  • Galeria do Insólito
  • É sabido que a correspondência que chega ao INESC Porto nem sempre vem com os nomes ou com a morada correctos. Já nos chamaram INESC MORTE e, por telefone, perguntaram se falava do INESC PORCO!

  • Biptoon
  • Mais cenas de como bamos indo porreiros...

Ver Notícias

 

E D I T O R I A L


O País SICI

Devemos interrogar-nos onde estão visíveis os modelos de comportamento positivos que queremos que as gerações sigam e imitem. Mas é difícil encontrar. Porque estamos no país SICI – silenciosos e cinzentos – e ninguém elogia ninguém.

É também o país SICI o do não-te-evidencies, claro, porque a pressão social em favor da mediocridade tem por base o raciocínio de que, por cada um que se saliente, outros ficam na sombra e convém fingir que todos apanhamos e merecemos pela mesma medida.

No país SICI não há retratos nem estátuas dos heróis comuns, apenas dos antigos e, de quando em quando, um estádio de futebol ou uma rua com o nome do cacique local, embora às vezes o pudor ataque como uma lepra lenta e se venha a mudar o tal nome trocando-o por outro mais asséptico. Os heróis comuns são os cidadãos que são excelentes na sua vida e trabalho e que influenciam para o bem a sua comunidade. Mas no país SICI não convém haver herói nenhum para que todos possam passar por um.

No país SICI fica bem ir à televisão e afirmar orgulhosamente que, quando em jovem, “também” não se tinha queda para a matemática – e, com isso, desculpar o insucesso numa área fundamental para o progresso e a riqueza colectiva. No país SICI é elegante contrapor a qualquer indicador positivo um “mas” que cita logo outro negativo, de forma a anular o efeito do primeiro. Não se aprecia o mérito deste, dilui-se logo para que não se tenha que reconhecer qualquer mérito a nada ou ninguém.

No país SICI quem não é pessimista é tolo, quem não se lamenta é cego.

É estranho, pois, que neste número do BIP apareça uma voz ao arrepio da cultura SICI. A nossa rubrica “A Vós a Razão”, que permite opiniões espontâneas dos nossos colaboradores, regista um rasgado e profundo elogio de alguém para alguém.

É tempo de a instituição reconhecer e elogiar melhor os seus, seguindo este exemplo.



INESC Porto © 2021  |Discutir no Forum   |Ficha Técnica   |Topo      

RESPONSABILIDADE: O BIP é um boletim irreverente e não oficial e os artigos e opiniões publicados não pretendem traduzir a posição oficial da instituição, sendo da responsabilidade exclusiva dos seus autores.