B O L E T I M Número 77 de Novembro 2007 - Ano VII

 BIP in English  BIP in English 

Início Destaque Editorial Especial Arquivo
 


O p i n i ã o  

  • A Vós a Razão
  • Colaborador afirma: "A mudança que precisamos de influenciar tem também de passar por mudanças em nós próprios; a horizontalidade de certas áreas de intervenção obriga a rearranjos e, porventura, a alianças...

  • Asneira livre
  • Colaboradora revela: "Devo dizer que no seu todo, o stand causava algum impacto: o sapato de senhora colocado no plinto da UESP deliciou muitas meninas e senhoras da feira..."

  • Galeria do Insólito
  • Se o sapato exposto nas jornadas falasse, teria muito para contar – especialmente sobre a quantidade de mulheres que se encantaram e mexiam nele...

  • Biptoon
  • Mais cenas de como bamos indo porreiros...

Ver Notícias

 

E D I T O R I A L


A ilusão e o medo de ver

Um conhecido nosso lembrou-se de desmistificar um velho ditado: “em terra de cegos, quem tem um olho é rei”.

Ele costuma brincar e diz que o ditado deveria, na verdade, enunciar que “em terra de cegos, não é preciso ter um olho para se ser rei – basta dizer que se tem, que os outros não sabem, são cegos”.

Não é novidade questionar o dito, convenhamos. Se não erro, H. G. Wells escreveu um conto em que um desgraçado e viajado montanheiro se despenhou algures, Equador profundo, entre o Cotopaxi e o Chimborazo e as suas neves perenes, numa chaminé entre vulcões a que teria sido dado o nome de o Vale dos Cegos.

Salvo pelos invisuais, únicos habitantes do abismo cerrado, a sua miséria só pode ter medida na ilusão caída de que poderia ser rei quando afinal esse povo se decidiu a cegá-lo também e curá-lo dessa doença de ver. A cegueira de Saramago não andou excessivamente longe deste mote.

Duas abordagens diferentes e, singularmente, não contraditórias. Uma fala-nos da importância da imagem, outra fala-nos do temor de quem tem mais capacidades do que nós. Uma fala-nos da importância da ilusão de ver e outra do medo de ver. Ilusão e medo andam, quantas vezes, companheiras.

Mas, na verdade, o que precisámos é que a ilusão que damos de nós tenha substância e de que aqueles que vêem mais que nós não tenham receio de o dizer e no-lo comunicar.



INESC Porto © 2021  |Discutir no Forum   |Ficha Técnica   |Topo      

RESPONSABILIDADE: O BIP é um boletim irreverente e não oficial e os artigos e opiniões publicados não pretendem traduzir a posição oficial da instituição, sendo da responsabilidade exclusiva dos seus autores.