INESC Porto
Galeria Jorge de Sena
Boletim INESC Porto
 
B o l e t i m N ú m e r o : 2 3 ( i n t e r n o ) / 9 ( p ú b l i c o )
 
 


O p i n i ã o

A Vós a Razão
Leitor divulga a sua esperança: "Espero que quiçá, a curto ou a médio prazo, seja criado o INESC Cabo Verde!!! »

Galeria do Insólito
Excerto de uma carta de recomendação chegada da Roménia: "Recomendo o Sr. Ingenieiro para uma bolsa de averiguacao no domenio das comunicacoes, em vista da continuacao do trabalho feito ate agora" »

Asneira Livre
Leitor desabafa: "Provavelmente muitos não me conhecem, mas isso não devia ser assim..." »

Biptoon
Bamos Indo Porreiros »

Especial
Saiba quem venceu o Concurso de Fotografia 2002 e conheça as foto vencedoras! »

Notícias »

 

Ex-colaboradores da Unidade de Telecomunicações formam empresa
INESC Porto aposta na formação de profissionais excelentes

Pedro Cardoso, Vítor Teixeira, Pedro Ferreira e Ernesto Santos, que integravam a área de Sistemas Distribuídos Multimédia da UTM, deixaram recentemente o INESC Porto e lançaram-se na aventura de constituir uma nova empresa. Pelo valor que lhes reconhecemos e pela contribuição que deram ao INESC Porto ao longo dos últimos anos, a eles dedicamos o destaque deste BIP. Sim porque, como eles próprios disseram no e-mail de despedida, entre os quatro estiveram cá a trabalhar durante cerca de 30 anos.

A hora da despedida
"Usando uma metáfora gastíssima, posso dizer que isto não é muito diferente do que passamos quando um filho sai de casa" - foi desta forma que Pedro Guedes de Oliveira se exprimiu sobre a saída dos quatro colaboradores da UTM, durante o lanche-despedida no dia de S. Martinho.

Num ambiente de convívio e verdadeira camaradagem, que contou com a presença de Pedro Cardoso, Vítor Teixeira, Pedro Ferreira, Ernesto Santos e de todos quantos quiseram prestar-lhes esta homenagem, o presidente do INESC Porto elogiou os quatro engenheiros. "O vosso valioso trabalho resultou, para já, numa empresa que vai ter com certeza muito sucesso pois vocês têm uma personalidade forte e sabem o que querem", reflectiu.

Com grande conhecimento de causa, uma vez que se trata da área que tutela como director, Artur Pimenta Alves lembra que a actividade desenvolvida pelos colaboradores que agora saem "culminou com a execução do contrato ORBIT, com a BBC, no qual foram utilizadas metodologias, tecnologias e arquitecturas inovadoras muito elogiadas pelos parceiros internacionais com quem temos relações e pelos nossos avaliadores internacionais".

Segundo Artur Pimenta Alves, "esta saída deve ser vista como uma nova fase da nossa actividade, em que o INESC Porto e a nova empresa, cada um com os seus propósitos, consolidem uma parceria estratégica".

Por seu lado, José Ruela recorda que, embora em termos de imagem interna o trabalho dos quatro esteja essencialmente ligado ao projecto ORBIT, a importância da actividade que desenvolveram é muito mais vasta. "O sucesso dos projectos ATLANTIC e VIDION, em que tiveram participação relevante, constituiu o ponto de partida para uma actividade estruturada na área dos sistemas multimédia distribuídos com aplicação em televisão digital", explica.

O coordenador da UTM salienta que "essa actividade exigiu a constituição de uma equipa numerosa que os quatro ajudaram a formar e que tinha o ORBIT como elemento aglutinador". Neste contexto, participaram activamente em vários projectos europeus, em acções de divulgação em conferências e feiras internacionais e em reuniões de organismos de normalização. "Desta actividade resultou naturalmente uma visibilidade internacional do INESC Porto e o reconhecimento expresso da elevada qualidade do trabalho desenvolvido", conclui José Ruela.

 

Pedro Cardoso
Mestre em Telecomunicações, Pedro Cardoso é o mais antigo elemento dos quatro que agora saem. A sua ligação ao INESC Porto começou há 15 anos com o projecto SIFO (Sistemas Integrados em Fibra Óptica), quando era ainda finalista da Faculdade de Engenharia.

Conhecido por ser uma pessoa decidida, Pedro Cardoso não hesita em dividir a "estadia" no INESC Porto em três fases distintas: de 1988 a 1992 a aprendizagem (mestrado); de 1993 a 1997 a transição; e de 1998 a 2002 a afirmação.

Quanto aos projectos que mais marcaram o seu percurso no INESC Porto, o engenheiro lembra facilmente: o projecto SIFO em 1988, o projecto ATLANTIC de 1996 a 1998 e, a partir de 1999, a criação da área de televisão digital (MOG) e todos os contratos e projectos europeus que lhe estão associados: ORBIT, G-FORS, MetaVision, P/PITV, CONTESSA, Nuggets e ASSET.

Com a saída do INESC Porto, Pedro Cardoso afirma que o que mais lamenta cá deixar é o projecto MOG (Media Objects Group) e que vai sentir falta de muita gente boa.

 

Vítor Teixeira
Vítor Teixeira também é mestre em Telecomunicações e entrou para o INESC como bolseiro em Setembro de 1996. Lembra-se perfeitamente do projecto com o qual se estreou na instituição há seis anos: o projecto ATLANTIC que "pretendia obter tecnologia para o uso de streams de vídeo em baixo débito (MPEG-2) dentro da área de pós-produção nas televisões".

O engenheiro reconhece que, na sua fase de aprendizagem que durou até este ano, assumiram grande importância os projectos ATLANTIC, VIDION, ORBIT, GFORS e PITV.

Relativamente aos grupos de trabalho que integrou, Vítor Teixeira lembra que começou no grupo CAV, passando para o grupo DigitalTV, para terminar no grupo MOG, que agora deixa com saudade.

 

Pedro Ferreira
O terceiro elemento da Unidade que deixa agora o INESC Porto é Pedro Ferreira, mestre em Telecomunicações, que integrava a UTM desde Setembro de 1997.

Pedro Ferreira recorda que começou como bolseiro da FCT nos projectos VIDION e ATLANTIC, em simultâneo. Em relação aos projectos que mais marcaram o seu percurso no INESC Porto, o engenheiro destaca o ATLANTIC e o ORBIT.

"O ATLANTIC deu-me a oportunidade de perceber como funciona um projecto a sério e o ORBIT obrigou a que tivesse(mos) uma atitude de constante dedicação, aprendizagem e transmissão de conhecimentos, o que foi extremamente interessante", explica.

Se tivesse que dividir a sua passagem pelo INESC Porto em várias fases, Pedro Ferreira considera que, até 1998, apenas tentou perceber como as coisas funcionam na vida real. De 1999 a 2000, foi adquirindo experiência, conhecimentos mais sólidos e contactos com entidades a nível internacional. A partir de 2001, já se dedicou a participar no desenvolvimento de um grupo com objectivos empresariais.

O engenheiro tem pena de deixar "um ambiente de trabalho e de amizade óptimo, nomeadamente no MOG", e sabe que sentirá falta de todas as pessoas com quem conviveu nestes anos e de quem gosta muito.

 

Ernesto Santos
Licenciado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores na FEUP, Ernesto Santos iniciou a sua actividade no INESC Porto em Outubro de 1998 como bolseiro.

O primeiro projecto que desenvolveu foi o VIDION, que tinha como objectivo o desenvolvimento de um protótipo de um sistema de gestão de arquivo para a RTP.

Com uma "carreira" de quatro anos no INESC Porto, o engenheiro considera que pode dividir o seu percurso em duas fases distintas: de 1998 a 1999 definiu objectivos de carreira e de 1999 até à actualidade participou no desenvolvimento de um grupo com objectivos empresariais.

Ernesto Santos é peremptório em afirmar que o projecto que mais marcou a sua passagem pelo INESC Porto foi "o arranque do projecto ORBIT que, pelo facto de ser um contrato, impôs ao grupo um modelo operacional completamente distinto do utilizado para os habituais projectos IST e FCT".

À semelhança dos seus colegas, Ernesto Santos também considera que sentirá falta do projecto MOG e do convívio diário com colegas de trabalho e amigos.

 

A nova empresa
Embora o nome não esteja ainda confirmado, tudo leva a crer que a empresa formada pelos autodenominados MOG┤s se venha a chamar MOG - Media, Objects and Gadgets. A nova empresa iniciou a sua actividade no mês de Novembro de 2002 e é constituída por cinco promotores (os quatro engenheiros saídos do INESC Porto e um especialista em gestão das tecnologias e inovação).

A empresa, sediada no Tecmaia (Parque Tecnológico da Maia), irá inicialmente focar a sua atenção na área da televisão profissional. Os produtos que irá disponibilizar centrar-se-ão em três grandes áreas: o MXF, o controlo e a gestão integrada de conteúdos.

Do portfólio da empresa constarão serviços de consultoria para a definição e gestão da integração de soluções para pós-produção e arquivo; desenvolvimento de software à medida; e formação.

 

A ligação ao INESC Porto
Formados na "escola" do INESC Porto, os quatro engenheiros consideram que a ligação à instituição "pode e deve" ser mantida e apontam três formas possíveis para o fazer: projectos conjuntos, formação e transferência de recursos qualificados e exploração comercial dos resultados.

José Ruela lembra que as bases que os quatro ajudaram a criar e a desenvolver dão garantias de que será possível prosseguir a estratégia definida para a área, "embora exigindo naturalmente a tomada de algumas medidas de carácter organizativo e a definição de novos objectivos científicos, face aos desafios que desde já se colocam, em particular o 6║ Programa Quadro da Comunidade Europeia, a negociação de um novo contrato com a BBC e a exploração de formas de colaboração efectivas com a empresa formada".

Em jeito de mensagem final, quando o BIP lhes perguntou se os anos que cá passaram valeram a pena, os quatro MOG┤s responderam simplesmente que "a empresa agora criada é a maior prova disso".

O BIP não esquece, e agradece, a colaboração assídua de Pedro Cardoso, Vítor Teixeira, Pedro Ferreira e Ernesto Santos na produção do BIP e em actividades desportivas e sociais do INESC Porto.

Assim, fazemos nossos os votos do director Artur Pimenta Alves: "todos nós, no INESC Porto, torcemos fortemente pelo sucesso da iniciativa."