B o l e t i m N ú m e r o : 4 0 ( i n t e r n o ) / 2 6 ( p ú b l i c o )
 
 


O p i n i ã o

A Vós a Razão
Leitor sugere: “Gostaria, então, de propor uma ideia à Direcção do INESC Porto. Não sei se a ideia é boa ou má, mas é uma ideia. Porque não a criação de cursos em áreas tecnológicas aqui, no INESC Porto?”»

Galeria do Insólito
Pensa que nós somos apenas o Boletim do INESC Porto (BIP), que actualiza mensalmente a informação na Intra e na Internet? Pois engana-se, somos muito mais do que isso! Somos gases, imóveis, motards, poesia... Somos uma personagem teatral, uma biblioteca, um banco... Até somos um bar de samba no Brasil!»

Asneira Livre
Leitor empreendedor: “Venho propor aos inesquianos e a quem de direito que se faça uma versão em formato de papel deste nosso BIP.” »

Biptoon
Bamos Indo Porreiros »

Especial
Depois do anúncio da atribuição de uma compensação monetária de 1000 euros por cada artigo publicado em revistas científicas, o BIP quis avaliar o impacto que esta medida teve no INESC Porto e pediu aos colaboradores que respondessem a algumas questões. Não perca as respostas!»

Notícias »

 
INESC Porto apoia criação de nova spin-off

Uma questão de bom sensing

Fornecer sistemas avançados de monitorização de estruturas, baseados em sensores de fibra óptica, com elevado desempenho e custo competitivo. Esta é a missão da FiberSensing, Sistemas Avançados de Monitorização, S.A., a mais recente spin-off do INESC Porto, criada em Abril de 2004. Percebendo a lacuna que havia no mercado relativamente às soluções de monitorização estrutural baseadas em sensores de Bragg em fibra óptica, a equipa da FiberSensing agarrou a oportunidade e promete não parar...

A equipa promissora
A equipa do INESC Porto envolvida no projecto FiberSensing é constituída por colaboradores da Unidade de Optoelectrónica e Sistemas Electrónicos (UOSE) e da Unidade de Telecomunicações e Multimédia (UTM): Alberto Maia, Carla Sousa, Filipe Pinto, Francisco Araújo, João Ferreira, José Carlos Azevedo e Luís Ferreira. Com estes colaboram os recursos humanos próprios da empresa nesta fase: Filipe Sá, Marta Girão e Pedro Antão Alves.

A empresa desenvolve, comercializa e suporta sensores e unidades de medição baseados em tecnologia de fibra óptica, e também software de gestão de dados. Integrando os vários componentes de um sistema de monitorização estrutural numa única interface, possibilita aos seus utilizadores uma diminuição de custos totais em monitorização.

A maturação da ideia
Luís Ferreira e Francisco Araújo, jovens doutorados da UTM, estiveram na génese do lançamento da FiberSensing. “A ideia de fomentar a criação de empresas spin-off do INESC Porto na área da Optoelectrónica estava já patente na Declaração de Intenções apresentada no âmbito da nossa candidatura aos lugares de Investigadores Doutorados do Laboratório Associado INESC Porto, apresentada em Junho de 2003”, explica Francisco Araújo. Essa candidatura foi bem sucedida e, embora a sua missão seja ajudar a estabelecer uma ponte entre estas tecnologias e as comunicações ópticas, havia que encerrar um ciclo de I&D, capitalizando nos resultados obtidos.

“Após inúmeras conversas com José Luís Santos e Alberto Maia, depressa nos apercebemos que existia uma oportunidade única relativamente aos sensores de Bragg em fibra óptica”, acrescenta Luís Ferreira. Os dois investigadores chegaram a esta conclusão depois de avaliarem o contexto interno e externo ao INESC Porto relativamente a vários aspectos desta tecnologia, tais como o seu grau de maturação, a existência de mercados de aplicação, as possibilidades de competição com as tecnologias convencionais, a existência de soluções para os problemas técnicos mais exigentes, entre outros aspectos.

A oportunidade de ouro
Conhecendo o percurso admirável da UOSE durante dez anos em termos de I&D associado à área das redes de Bragg, o “núcleo fundador” entretanto gerado - Francisco Araújo, Luís Ferreira, José Luís Santos e Alberto Maia - resolveu aproveitar a oportunidade de estimular o projecto de criação de uma empresa nesta área.

O núcleo fundador tinha, no entanto, uma certeza: em termos de desenvolvimento, havia ainda um percurso considerável a percorrer no sentido de poder oferecer, por exemplo, ao mercado das aplicações em Engenharia Civil, produtos fiáveis que pudessem substituir com vantagem as tecnologias convencionais utilizadas há décadas.

O caminho a percorrer
De acordo com Luís Ferreira, embora existisse no INESC Porto know-how suficiente para avançar para a criação da empresa, era necessário estabelecer um projecto autónomo com recursos financeiros adequados, equipa, objectivos e prazos bem definidos.

O objectivo era "conseguir desenvolver um conjunto de protótipos pré-industriais que permitisse encarar com confiança a transferência da tecnologia, a capitalização do know-how existente em termos de propriedade intelectual e, em última análise, a criação de riqueza - objectivos essenciais de uma empresa spin-off”, completa Francisco Araújo.

Os desafios lançados
A ideia foi inicialmente transmitida em Setembro de 2003 ao presidente Pedro Guedes de Oliveira e ao director Mário Jorge Leitão, que sugeriram a elaboração de um Plano de Negócios preliminar para apresentação da ideia a toda a Direcção do INESC Porto. Francisco Araújo e Luís Ferreira trataram da elaboração do Plano, com a importante colaboração de José Magano e Alexandra Xavier. Esse plano de negócios projectava a actividade da empresa do lado comercial, relacionando-se com os potenciais clientes, desenvolvendo a especificação e comercialização dos diversos produtos, mas também do lado do desenvolvimento, com a encomenda ao INESC Porto de uma carteira de protótipos com as características especificadas.

A apresentação do Plano de Negócios ocorreu a 30 de Outubro de 2003. Na opinião dos investigadores da UTM, o resultado dessa reunião não poderia ter sido melhor pois a Direcção do INESC Porto decidiu apoiar unanimemente a fundação da empresa na área dos sistemas de monitorização estrutural. A partir desta decisão, dois novos desafios surgiriam: investimento e management.

O quinto elemento
Nesta fase, a necessidade de profissionalização da vertente mais de negócio da empresa levou a equipa a procurar um elemento com o perfil adequado e encontrou-o na pessoa de Pedro Antão Alves, engenheiro com larga experiência não só em actividades de management, mas também em áreas técnicas de particular relevância para o projecto. A sua entrada para o “núcleo fundador” foi determinante para as fases subsequentes do processo.

Pedro Antão Alves participou, assim, juntamente com a equipa anteriormente constituída, na elaboração do Plano de Negócios consolidado que seria posteriormente apresentado à PME Capital para a obtenção de financiamento (4 de Dezembro de 2003), e à Agência de Inovação para obtenção do Estatuto NEST (23 de Dezembro de 2003) e também de financiamento (3 de Fevereiro de 2004).

A parte burocrática
Após o registo da Firma, foram feitas inúmeras acções de divulgação da tecnologia junto de pessoas ligadas aos mercados-alvo. A FiberSensing participou ainda numa competição de Planos de Negócio de empresas start-up (6th Cambridge Enterprise Conference, 24-26 de Março de 2004, Cambridge, UK), tendo sido seleccionada para apresentação a investidores europeus de capital de risco. A pedido da PME Capital foi elaborado um plano detalhado das despesas a efectuar pela empresa durante o primeiro ano.

Uma outra acção importante relacionou-se com a constituição do Steering Committee que fará uma avaliação objectiva e independente dos resultados técnicos alcançados. Este Steering Committee terá um papel particularmente relevante no futuro da FiberSensing, uma vez que será a partir da avaliação global da fase de desenvolvimento por ele feita que se decidirá acerca do arranque da fase de industrialização.

O capital da PME
Em Fevereiro de 2004 o Conselho de Administração da PME Capital decidiu investir na FiberSensing. A partir desse momento, “começámos a formar a equipa técnica e a organizar o espaço (no edifício INESC Porto) e a FiberSensing começou a consolidar as relações com fornecedores e potenciais clientes”, explica Luís Ferreira. Assim, quando se assinou a escritura em 23 de Abril de 2004, a empresa já estava no mercado e o grupo do INESC Porto já se encontrava em velocidade de cruzeiro em termos de desenvolvimento dos produtos.

O Capital Social da FiberSensing (552.500) ficou, para já, distribuído pela PME Capital (maioria), INESC Porto (promotor institucional) e, simbolicamente, pelos promotores individuais (“núcleo fundador”). O coordenador da UOSE, José Luís Santos, e o presidente do INESC Porto, Pedro Guedes de Oliveira, terão assento, respectivamente, na Assembleia Geral e no Conselho de Administração da Empresa. Por sua vez Pedro Antão Alves assumirá o cargo de CEO da FiberSensing. Espera-se ainda para breve a participação da AdI no capital social através do Fundo de Sindicação de Capital de Risco, altura em que o Capital Social será fixado em 650.000.

Os projectos e candidaturas
Apesar da sua tenra idade, a FiberSensing já se revela empreendedora quanto baste: começou por apresentar uma candidatura a um Projecto IDEIA e participou na elaboração de duas candidaturas a Projectos Europeus. Concorreu, também, ao Concurso de Ideias da AdI para Criação de Empresas de Base Tecnológica na Região Norte.

A empresa expôs ainda a sua tecnologia no 9 Congresso Nacional de Geotecnia / II Congresso Luso-Brasileiro de Geotecnia (18-22 de Abril, Aveiro, Portugal) e na Hannover Messe 2004 (19-24 de Abril, Hannover, Alemanha).

O apoio incondicional
Francisco Araújo e Luís Ferreira aproveitam para enaltecer a colaboração entusiasta, por eles sentida, de todos os inesquianos em torno do surgimento deste “projecto INESC Porto”. Os investigadores destacam e agradecem o envolvimento de Pedro Guedes de Oliveira, José Magano, Alexandra Xavier, Graça Barbosa, Lucília Fernandes e Paula Faria.

Na realidade, Francisco Araújo e Luís Ferreira consideram que se trata mesmo de um projecto INESC Porto que marca o encerrar de um ciclo durante o qual se construiu, com base em investigação, um profundo conhecimento e experiência na tecnologia das redes de Bragg e que permite que se inicie agora um outro, de capitalização desse esforço, com a fundação da FiberSensing.

As aplicações práticas
Após a conclusão da fase de desenvolvimento dos produtos, por subcontratação do INESC Porto, as competências em tecnologia dos sensores de fibra óptica, em optoelectrónica, electrónica digital e instrumentação irão sendo passadas para a FiberSensing, permitindo-lhe oferecer aos clientes soluções completas de monitorização, incluindo o projecto e instalação de redes de sensores e recolha e análise de dados.

Na prática, os sensores para monitorização de estruturas têm as mais diversas aplicações: Engenharia Civil e Geotecnia (estruturas metálicas, e de betão, mecânica das rochas, minas, muros de suporte e ancoragens); Indústria Petrolífera (ambientes com níveis elevados de ruído electromagnético, corrosivos e/ou perigosos); Aeronáutica; Automóvel; Naval; Produção e Transporte de Energia.


Contactos
FiberSensing - Sistemas Avançados de Monitorização, S.A.
Edifício INESC Porto
Campus da FEUP
Rua Dr. Roberto Frias, 378
4200-465 Porto
Portugal

Telefone: +351222094042
Fax: +351222094044
Email: info@fibersensing.com
Web: www.fibersensing.com