B O L E T I M Número 87 de Outubro 2008 - Ano VIII

 BIP in English  BIP in English 

Início Destaque Editorial Especial Arquivo
 

N o t í c i a s  

INESC Porto LA  

A n ú n c i o s  

  • Jobs For The Boys And Girls
  • Nesta secção, o leitor encontra referência a anúncios publicados pelo INESC Porto, oferecendo bolsas, contratos de trabalho e outras oportunidades do mesmo género...

Ver Opinião

 

D E S T A Q U E


INESC Porto prepara redes eléctricas inteligentes do futuro

Imagem Principal Artigo

A Unidade de Sistemas de Energia (USE) do INESC Porto é a responsável científica no consórcio liderado pela EDP, no qual participam também a EFACEC, a Janz e a Logica, para o projecto InovGrid. A EDP vai investir 12 milhões de Euros durante a primeira fase do projecto - que deverá ficar concluída em 2010, no desenvolvimento da “Energy Box”: um contador que permite a telecontagem dos consumos de energia. Esta é uma iniciativa pioneira a nível europeu, e permitirá “uma afirmação internacional da indústria portuguesa”, sublinha João Peças Lopes, coordenador da USE.

Criar casas energeticamente mais inteligentes com um investimento reduzido para os consumidores é uma das possibilidades abertas pelo InovGrid. Impulsionado pela publicação do Decreto-lei 363/2007 relativo à microprodução, o projecto vai entrar em fase-piloto, já no final do ano, em 50 mil casas portuguesas.

Ganhos na eficiência energética
Este sistema procede à medição dos consumos ou produções de energia eléctrica, enviando essa informação para um sistema centralizado de informação através de um sistema de comunicações, o que permite eliminar erros de leitura e reduzir o número de reclamações, melhorando a qualidade de serviço comercial e reduzindo custos com a contagem.

Trata-se de um sistema de telecontagem que só por si “permitirá reduzir custos dos operadores, facilitando a gestão dos sistemas de leitura”, refere João Peças Lopes. Mas o InovGrid propõe-se a ir para além da telecontagem, oferecendo um sistema de monitorização e controlo nas diversas fases da rede de distribuição e permitindo uma gestão técnica mais eficiente.

Destaca-se ainda a capacidade de gerir a integração de grandes volumes de microgeração, sem comprometer a robustez e a segurança de exploração da rede, bem como para a possibilidade que os consumidores passam a ter de participar na gestão activa do sistema como fornecedores de serviços, reduzindo consumos quando solicitado. A prestação desses serviços ao sistema será depois objecto de remuneração aos consumidores participantes. João Peças Lopes não tem mesmo dúvidas em afirmar que o InovGrid “no limite, vai induzir comportamentos que permitem uma melhor e mais eficiente utilização da energia ao nível doméstico”.

"Energy Box"
A “Energy Box” é a face mais visível do InovGrid, uma nova caixa/contador que substitui os tradicionais contadores e que vai entrar nas casas de 50 mil portugueses até ao final do ano com o arranque da fase-piloto. Esta fase, com a duração de um ano, serve para proceder aos ajustes necessários no dispositivo, embora seja já certeza que a implementação da “Energy Box” não vai obrigar à alteração dos electrodomésticos nem das instalações eléctricas. Estima-se que, em 2010, todos contadores de electricidade tradicionais dêem lugar a este novo dispositivo.

Entre as funcionalidades da “Energy Box” destacam-se, para além da telecontagem, a possibilidade de mudar de tarifa à distância por solicitação do cliente, uma gestão eficiente dos consumos individuais de electricidade - permitindo uma redução da factura de energia, e uma maior rapidez na resposta a reclamações por parte do operador de rede. O dispositivo foi concebido na lógica de massificação da microgeração ao monitorizar, controlar e, deste modo, gerir mais eficazmente toda a rede de baixa tensão, detectando eventuais situações de fraude.

Para facilitar a sua utilização pelos consumidores/produtores, cada “Energy Box” terá um interface de comunicação simples “que vai alertando para um consumo exagerado ou não, em determinado momento”, adianta o professor. “Com este sistema, podem saber exactamente quanto estão a consumir e a produzir e, dessa forma, ganhar dimensão de consciencialização energética”, reforça o coordenador da USE.

Portugal na linha da frente das redes inteligentes de electricidade

O projecto InovGrid assume-se como revolucionário e capaz de afirmar a indústria portuguesa a nível internacional. Note-se que a Itália e a Suécia são os únicos países europeus com sistemas semelhantes, mas ainda assim limitados fundamentalmente à telecontagem e com muito menos flexibilidade de exploração.

Espanha, França e Alemanha estão a desenvolver soluções neste domínio, pelo que exportar o modelo deverá ser uma estratégia de médio prazo para a indústria portuguesa. Há, aliás, países que já se mostraram “interessados no projecto e, quem sabe, em importá-lo”, como João Peças Lopes evidencia. A alternativa seria, segundo o coordenador da USE, "esperar que alguém desenvolva estas soluções para depois as importar e utilizar nas nossas redes".

Este é um projecto de grande dimensão e mobiliza um volume apreciável de recursos por parte do INESC Porto. A equipa actualmente envolvida no projecto tem já 11 colaboradores, coordenados por João Peças Lopes: Carlos Moreira, José Nuno Fidalgo, Luís Seca, João Sousa, André Madureira,  Joel Soares, Cláudio Monteiro, José Rui Ferreira, Nuno Gil e Jorge Pereira.



INESC Porto © 2021  |Discutir no Forum   |Ficha Técnica   |Topo      

RESPONSABILIDADE: O BIP é um boletim irreverente e não oficial e os artigos e opiniões publicados não pretendem traduzir a posição oficial da instituição, sendo da responsabilidade exclusiva dos seus autores.